Google+ Canal Brasília: Setembro 2012

23 de setembro de 2012

Os 10 trabalhos que engordam mais

Por Universia Brasil

Está acima do peso? Estudo revela quais são os trabalhos que nos fazem engordar e explica quais podem ser os principais motivos. O seu trabalho pode estar contribuindo de maneira efetiva no aumento da sua massa corpórea

Foto: Shutterstock.com
Vários fatores contribuem para o ganho de peso e obesidade. Segundo um levantamento do site norte-americano CareerBuilder, alguns trabalhos são mais propensos a fazer que você ganhe mais gordura que outros. A pesquisa mostrou também que cerca de 44% dos trabalhadores norte-americanos consideram o seu atual trabalho como o principal fator de ganho de peso.

Os pesquisadores descobriram que as causas mais prováveis para o aumento de peso foram jantar fora regularmente, almoçar no trabalho, trabalhar sentado em uma mesa todos os dias e comer rapidamente. Entre os piores listados, os que mais geram o sedentarismo e o ganho de peso são aqueles que fazem com que o profissional fique sentado em sua mesa. Confira a seguir a lista com os 10 empregos que fazem com que você engorde.

1- Tecnologia da Informação
Os profissionais de TI passam longas horas em sua mesa, e geralmente realizando os trabalhos mais estressantes da empresa. Além de ser uma profissão muito sedentária.

2- Advogado e Juiz
Os advogados e juízes passam muitas horas analisando os casos em suas mesas. Esse tipo de trabalho é necessário, porém essa atividade prejudica a circulação sanguínea e causa o sedentarismo.

3- Marketing e Relações públicas
Mesmo com algumas reuniões, para criar textos e as estratégias, esses profissionais precisam de algumas horas de dedicação no escritório. Isso sem contar com os almoços e jantares de reuniões, que contribuem bastante para o aumento de peso.

4- Assistente social
Os assistentes sociais passam grande parte do seu dia fazendo atendimento. Essas conversas podem durar alguns minutos ou até horas, e assim como os outros trabalhos listados, eles também ficam sentados.

5- Auxiliar administrativo
Os auxiliares administrativos levantam poucas vezes ao dia para recolher assinaturas, o resto do dia de trabalho eles passam sentados em suas mesas.

6- Professor
No caso dos professores, a questão é um pouco diferente. Eles não passam boa parte do tempo sentados, mas o aumento de peso pode ser gerado por meio das guloseimas vendidas na cantina ou até mesmo pelos presentinhos que eles ganham dos alunos.

7- Agente de viagens
A rotina de um agente de viagens é vender pacotes, excursões e passagens. Para mostrar as melhores opções de preços, ou lugares eles utilizam computadores e mesas, ou seja, também passam o dia sentado.

8- Serviços de proteção
Os deveres estressantes dos bombeiros e da polícia, combinados com um tempo de inatividade pode aumentar o peso do profissional de forma surpreendente.

9- Designer, artista e arquiteto
Para criar, esses profissionais precisam desenhar por muitas horas. Desenvolver projetos, desenhos e obras de arte requer tempo e disposição para ficar sentado o dia inteiro na mesma posição.

10- Médico
Dependendo da área de atuação, os médicos podem ter certa mobilidade. Porém, a grande maioria fica o dia inteiro no consultório sentado em sua mesa.


18 de setembro de 2012

Entenda como as músicas são cobradas em provas do Enem

Por Universia Brasil

O site Universia Brasil analisou as edições do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e verificamos que música é frequentemente cobrada no exame. Veja como o tema pode aparecer e quais são as principais habilidades cobradas nas questões. Provas do Enem acontecem nos dias 3 e 4 de novembro

Foto: Shutterstock.com
Seja na interpretação de texto ou na prova de inglês, várias letras de músicas já foram utilizadas no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) com o intuito de avaliar a reflexão dos candidatos sobre o tema abordado na canção. Para interpretar melhor uma música, o estudante tem de mergulhar na cultura do país de origem, na época em que ela foi escrita e, principalmente, na mensagem que ela quer passar.

Cobrar a interpretação de músicas na prova do Enem nada mais é do que questionar o candidato sobre a sua visão de mundo e repertório cultural. De acordo com Marcilio Bittencourt Gomes Jr., professor de literatura da Oficina de Estudante, o Enem é uma releitura dos vestibulares federais, e utilizar músicas nas provas comprova que o exame está sendo moldado de acordo com as provas das instituições tradicionais como, por exemplo, USP, UNESP e Unicamp. "Usar música na prova não é uma novidade. A UNESP, por exemplo, faz o uso de canções em sua prova sistematicamente", explica.

Entre os principais autores brasileiros estão Chico Buarque e Gilberto Gil. Entretanto, a comissão organizadora é bem eclética em relação à seleção de músicas feitas para a prova. Na edição de 2007, por exemplo, os textos fornecidos como base para a redação foram duas músicas de rock: "Ninguém = Ninguém", do grupo Engenheiros do Hawaii, e "Uns Iguais Aos Outros", dos Titãs. Na edição de 2010 mais uma banda de rock foi selecionada para compor o exame. Dessa vez a escolhida foi "Viva La Vida", do grupo britânico Coldplay, utilizada na prova de inglês.

Antes de começar a interpretar a música procure identificar o nome do autor e a época em que ela foi escrita. Depois, é preciso relacionar os acontecimentos históricos da época com os temas que estão sendo pedidos na questão. A dica é criar conexões entre os acontecimentos históricos e o que está sendo pedido no exame. Isso irá facilitar a sua interpretação e, consequentemente, ajudá-lo a solucionar a situação problema. Muitas vezes, a resposta pode estar no próprio texto ou até mesmo na pergunta.

Cabe ao candidato desenvolver a habilidade de relacionar as músicas com os temas cobrados na prova. Para isso, você precisa diversificar a sua leitura lendo e analisando todos os tipos de texto, desde jornais até revistas em quadrinhos. A leitura é sempre a base para realizar o processo de interpretação e uma boa redação.

Sobre o a prova do Enem

O Enem tem quatro provas objetivas, cada uma com 45 questões de múltipla escolha e uma redação. As provas são interdisciplinares, e vão tratar de quatro áreas de conhecimento do ensino médio. O Enem 2012 será realizado nos dias 3 e 4 de novembro.

17 de setembro de 2012

Estudo mostra que gordinho ativo é mais saudável que magro sedentário

Por Minha vida

Foto da internet
Dois estudos publicados na última quarta-feira, 5 de setembro, mostraram a descoberta do que tem sido chamado de paradoxo da obesidade. Esse conceito afirma que, em certos casos, os quilos além da conta não indicam perigo à saúde e podem até ser protetores do nosso organismo. 

A primeira pesquisa foi feita pela Universidade de Granada, na Espanha, e foi publicada no European Heart Journal. O estudo analisou dados de 43 mil americanos, divididos em grupos conforme os níveis de obesidade, colesterol, pressão arterial e condicionamento físico. Após acompanhar os participantes durante 14 anos, os médicos perceberam que as pessoas com obesidade, porém consideradas saudáveis após os exames, tiveram um risco 38% menor de morrer por qualquer casa do que as não saudáveis. A redução de morte por doenças cardiovasculares ou câncer foi de 30% a 50%. O desempenho desses participantes que estavam acima do peso, mas que mantinham bons hábitos foi, ao longo do tempo, similar ao dos magros saudáveis. 

Outro trabalho, publicado na mesma edição da revista, analisou durante quatro anos a mortalidade de 64 mil suecos com problemas cardíacos (como angina e infarto) submetidos a um exame de imagem para determinar a saúde de suas artérias coronárias. Os pacientes foram subdivididos de acordo com seu IMC. Os resultados mostraram um gráfico em forma de "U": aqueles que estavam muito magros ou com obesidade mórbida corriam mais risco de morrer do que pacientes intermediários, com sobrepeso ou obesidade moderada. 

Os cientistas americanos acreditam que o melhor condicionamento físico das pessoas saudáveis com obesidade foi responsável pelo menor risco de morte observado nesse grupo em relação ao grupo dos não saudáveis. Eles afirmam que o exercício tem ação anticoagulante, ajuda a dilatação dos vasos e melhora a resistência à insulina, tendo um efeito contrário ao da obesidade, sendo portanto melhor ser uma pessoa acima do peso que se exercita do que um magro sedentário. 

Siga este plano para começar a praticar exercícios

Segundo a Federação Mundial de Cardiologia, pessoas que não praticam atividades físicas têm um risco duas vezes maior de sofrer doenças do coração, ter pressão alta e desenvolver diabetes quando comparadas a quem pratica exercícios físicos regularmente, independente fato de a pessoas estar ou não acima do peso. 

Faça uma avaliação médica
A avaliação médica não é apenas um pré-requisito para que aluno e professor trabalhem em segurança, mas a melhor maneira de descobrir os limites do seu corpo e o exercício ideal para vencê-los. "Também é fundamental realizar uma avaliação física. Por meio dela é possível determinar a porcentagem de gordura corporal do indivíduo e ter uma ideia de seu alongamento e da sua resistência", afirma o personal trainer Ricardo Custódio, da Companhia Atlethica do Estádio do Morumbi, em São Paulo.

Desenferruje
"A principal meta de quem começa a treinar após ter ficado muito tempo parado deve ser reabituar o corpo à prática regular de exercícios", explica Adriano. Segundo o personal trainer, emagrecer ou ganhar tônus muscular devem ser objetivos secundários nesse retorno. Isso porque o retorno ao treino, na maioria das situações, traz os mesmos desafios de uma primeira experiência com exercícios

"O aluno terá que começar do zero, mesmo tendo sido atleta regular no passado. Não respeitar essa progressão pode sobrecarregar os músculos e articulações, ocasionando lesões", diz o especialista. A diferença entre uma pessoa que já treinou e outra, que nunca se mexeu, é o tempo de resposta aos movimentos: quem já fez exercícios tende a recuperar o condicionamento mais rapidamente.

Comece por atividades de baixo impacto
Voltar a treinar e já partir para atividades de grande impacto aumenta e muito o risco de lesões. Decidir correr logo no primeiro dia de treino, por exemplo, poderá sobrecarregar os músculos e articulações dos membros inferiores, afirma o médico do esporte Ricardo Nahas, do Centro de Referência em Medicina do Exercício e do Esporte do Hospital 9 de Julho. Ele explica que, em uma caminhada, cerca de 20% do peso corporal fica concentrado nas articulações e essa porcentagem dobra numa corrida. "Por isso, é essencial realizar a readaptação muscular, articular e cardíaca", diz o médico.

Exercício tem que dar prazer
Exercícios físicos não se resumem a musculação e esteira. Por isso, se a academia não te atrai, busque fazer outras atividades, como esportes coletivos, ginástica ou circuito. "Treinar por prazer mantém o aluno motivado e reduz o risco de abandonar o programa", afirma Ricardo Custódio. O exercício perfeito, de acordo com o personal, é aquele que consegue equilibrar as necessidades do seu corpo com as suas preferências.

Respeite seus limites
O condicionamento físico não aparece do dia para a noite. "Pegar muito peso de uma vez ou caminhar uma distância muito longa só vai causar dores nos músculos e nas articulações", afirma o personal Adriano Braga. Estar disposto a melhorar sempre é fundamental, mas isso deve ser feito de maneira segura. "Do contrário, há risco de uma lesão mais séria e você é obrigado a ficar sem treinar justo quando estava mais engajado".

Aumente a intensidade aos poucos
O aumento da dificuldade do treino faz parte do programa - além de tornar a atividade mais interessante, o desafio ajuda seu corpo a ganhar condicionamento. "Isso pode significar aumento da carga, aumento da velocidade, redução do intervalo entre um exercício e outro ou aumento do número de repetições", afirma o personal Adriano Braga. Seguir um plano para aumentar a intensidade significa abandonar o sedentarismo de maneira gradual e saudável.

Faça alongamento e aquecimento
"Aquecer é aumentar a temperatura corporal, o que eleva a frequência cardíaca e prepara o corpo para a prática de exercícios", afirma o médico do esporte Ricardo. O alongamento, por sua vez, pode ajudar a prevenir lesões ? esse tipo de movimento estimula a liberação do líquido sinovial, que lubrifica as articulações. "Esses minutinhos de preparação são valiosos porque informam o organismo sobre o que deve ser priorizado no momento, deixando atividades, como a digestão, em segundo plano".

Fonte: Minha Vida

10 de setembro de 2012

"Noticiário sem cenário", de Arisson O grande

Para começar a semana com força, nada melhor do que uma boa dose de humor. Arisson O grande apresenta no vídeo uma crítica para lá de divertida. Âncora, repórter, entrevistado e até garota do tempo...
Enfim, aperte o play e veja com seus próprios olhos. Aposto que você não vai se arrepender.

5 de setembro de 2012

Manifesto: "Este país é uma vergonha"

Por Leandro Lisbôa

Todos nós sabemos que muita coisa não está certa neste país, sobretudo quando o assunto é educação, saúde e cultura. Um dos nossos leitores no Facebook postou o seguinte sentimento em seu perfil:

"Morar no Brasil é muito 'engraçado'.
O Governo daqui tem milhões para construir um Estádio de Futebol; tem milhões para 'investir' na segurança que durante os jogos, mas, PASMEM, não tem 'verba' para arrumar nem o Ginásio de Esportes e nem o portão da escola em que trabalho e que, inclusive caiu em cima de um aluno e o machucou!
Não tenho forças nem para rir e nem para chorar!
Meu sentimento é de nojo!"

Foto da internet
O acidente ocorreu na última segunda-feira (3/9) no Caic (Centro de Atenção Integral à Criança) de São Sebastião - DF. Conforme matéria no site da Band, o aluno, de 10 anos, possui deficiência visual. Leia o texto abaixo:

Um menino de 10 anos ficou ferido após ser atingido por um portão de metal no Caic (Centro de Atenção Integral à Criança) de São Sebastião, em Brasília, ontem.

O aluno do 4º ano tem baixa visão, segundo informações da Secretaria de Educação. Ele estava correndo e bateu no portão, que acabou caindo. O acidente aconteceu durante uma aula de educação física. O menino participava da atividade junto com mais 20 alunos de sua turma que possuem necessidades especiais.

Três professores estavam supervisionando a aula e os primeiros socorros foram prestados ainda na escola. Depois disso, o aluno foi resgatado pelo Corpo de Bombeiros e levado para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da cidade. Ele ainda foi transferido para o Hospital de Base, onde passou por exames mais detalhados, mas recebeu alta ontem mesmo e já não corre risco.

Depois do acidente com a criança, a direção da escola de São Sebastião se comprometeu a trocar o portão de acesso ao colégio. 



Bate papo de lançamento do livro da jornalista Sônia Bridi conta com presença de diversos estudantes

Por Jussara Resende, Rafaela Mendes e Renata Santos.

Estudantes de jornalismo conferiram o lançamento de livro sobre série exibida no Fantástico

A Fnac Brasília recebeu na terça-feira (28) a jornalista Sônia Bridi e o repórter cinematográfico Paulo Zero para o lançamento do livro "Diário do clima – Efeitos do aquecimento global: um relato em cinco continentes".

O Livro relata os bastidores das reportagens da série “Terra, que tempo é esse?”, que foi exibida no fantástico sobre as mudanças climáticas ao redor do Planeta. Eles passaram por 14 países para mostrar as alterações que vêm acontecendo ao redor do mundo e chamar atenção das pessoas para os perigos do Aquecimento Global.

Cerca de 350 pessoas estiveram presentes e participaram de um bate papo descontraído e sessão de autógrafos. Boa parte do público era formada de estudantes de jornalismo da Faculdade Anhanguera de Brasília. Incentivados pela professora de jornalismo científico Mariella Oliveira, eles puderam conhecer de perto o relato da jornalista -  referência nesse tipo de cobertura - e entender um pouco mais sobre o tema. Sônia afirmou que atualmente não se começa nada sem saber sobre o aquecimento global. “Não se faz jornalismo, não se constrói uma casa, é muito importante que a sociedade saiba mais sobre o tema”. Questionada sobre qual sua conclusão em relação ao futuro do planeta, Sônia foi enfática: “Temos criatividade e encontraremos uma solução para as mudanças climáticas. Somos uma espécie que quer sobreviver”, declarou.

Segundo o gerente de Comunicação da FNAC, Renato Parente, que organizou o evento, o grande número de pessoas se deve, principalmente, pela importância do assunto abordado. “Além de ser uma jornalista com grande prestígio, seu livro trata de um tema de suma importância para a Nação. Por ter sido uma serie, o livro é muito rico em detalhes”.

Arisson Tavares estudante de jornalismo da Faculdade Anhanguera de Brasília saiu bem satisfeito. “Recebi o convite e o assunto me deixou interessado. Concluo a graduação no fim do ano e acho interessante entender um pouco mais sobre aquecimento global”, explicou.

Foto: Claudio Ferreira
Com o término do debate, uma longa fila se formou para a sessão de autógrafos. O cirurgião dentista José Luiz fez questão de ser um dos primeiros. “Estava passando aqui por acaso e, como admiro muito o trabalho da Sônia, não pensei duas vezes. Comprei o livro e agora vou ganhar um autografo”.

Sônia Bridi já lançou o livro em várias cidades, entre elas São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Londrina. Camila Hannaun, da Editora Globo, acompanha o lançamento e afirma que tem sido um evento muito esperado. “Ela cativa o público, está sempre sorrindo e disposta a responder as perguntas”. E como em outras capitais, o lançamento em Brasília também foi um sucesso.