Google+ Canal Brasília: Maio 2011

27 de maio de 2011

Infraero capacita instrutores de bombeiros de aeródromo

Por Leandro Lisbôa


Foto: Reprodução
A Infraero concluiu nesta sexta-feira (27/5) o curso de Formação Técnica de Bombeiros de Aeródromo (FTBA). O treinamento tem como objetivo capacitar os profissionais que já tenham formação e experiência na área de prevenção, salvamento e combate a incêndio para executarem essas atividades específicas em aeródromos. O FTBA foi realizado no Aeroporto Internacional de Confins/Tancredo Neves (MG) e contou com a participação de 32 pessoas. 

Durante todo o mês de maio os alunos participaram de atividades práticas e teóricas sobre técnicas e procedimentos de segurança e de salvamento necessários aos bombeiros de aeródromo. A carga horária total do curso foi de 160h/a.
Para o superintendente de Segurança Aeroportuária da Infraero, Washington Santana, formar profissionais capacitados para intervir em qualquer momento é o compromisso da empresa. “Temos que zelar pela segurança dos aeroportos e estamos prontos para intervir a qualquer momento. Meus parabéns a todos os aprovados”, disse.

De acordo com o instrutor do curso, Fernando Menezes, os participantes são um exemplo de preocupação com o próximo e merecem os parabéns. “Congratulamos esses corajosos alunos pela determinação e empenho mostrados ao longo do curso e também por terem escolhido atuar como bombeiros, arriscando suas vidas para salvar seus semelhantes”, afirmou Fernando.

Para o aluno Vanderlei de Oliveira, o treinamento possibilitou a troca de conhecimentos, formando um grupo mais capaz de proteger os aeródromos de incêndio. “O curso contribui de forma significativa na nossa qualificação como bombeiros de aeródromo, nos habilitando para disseminar conhecimentos e atuar de maneira ainda mais eficiente na nossa atividade”. 

Atestado de Capacitação Operacional 

Além de capacitar os profissionais que atuam como bombeiros de aeródromo, a Infraero também está focada no cumprimento das normas de segurança. Na última terça-feira (24/5), o Aeroporto de Goiânia/Santa Genoveva (GO) recebeu da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) o Atestado de Capacitação Operacional (Acop).

O documento é dado aos aeroportos que recebem mais de um milhão de passageiros, tendo como pré-requisito o Atestado de Capacitação Operacional do Serviço de Prevenção, Salvamento e Combate a Incêndios, estabelecido por meio da Resolução n.º 49 de 2 de setembro de 2008.

Além do Aeroporto de Goiânia, possuem Atestado de Capacitação Operacional os aeroportos de Brasília (DF), Belém (PA), Florianópolis (SC), Galeão (RJ), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Manaus (AM), Curitiba (PR), Confins e Pampulha (MG), Congonhas (SP), Vitória (ES) e Natal (RN). O certificado tem validade de dois anos, podendo ser feitas verificações ao longo do período. Outros sete aeroportos da Rede aguardam pela avaliação da Anac a fim de receberem o Atestado de Capacitação Operacional.

Confira esta matéria no site Clicando aqui.

26 de maio de 2011

Porto Alegre assina Ordem de Serviço para instalação de Módulo Operacional

Por Leandro Lisbôa

A Infraero assinou nesta quinta-feira (26/5) a Ordem de Serviço para instalação do Módulo Operacional do Aeroporto Internacional de Porto Alegre/Salgado Filho (RS). O investimento de cerca de R$ 4,17 milhões tem conclusão prevista até o final de 2011.

A instalação do Módulo Operacional cumprirá funções de uma sala de embarque remoto, contendo 20 balcões de check-in que serão dispostos ao lado do Terminal de Passageiros 1 em 1,8 mil m² de área. O Módulo aumentará em 1,5 milhão de passageiros/ano a capacidade do aeroporto da capital gaúcha.

Para o superintendente do Aeroporto de Porto Alegre, Jorge Herdina, o investimento possibilita melhorias necessárias para um atendimento de qualidade. “Os Módulos Operacionais oferecem as mesmas condições de infraestrutura de um Terminal de Passageiros, bem como isolamento termoacústico, climatização, entre outros, a fim de atender com qualidade a crescente demanda do aeroporto”, finalizou.

Confira esta matéria no site Clicando aqui.

24 de maio de 2011

Infraero capacita profissionais em Radioproteção

Por Leandro Lisbôa

A Infraero capacitou 25 colaboradores em Curso de Radioproteção realizado no Aeroporto Internacional de Brasília/ Juscelino Kubitschek (DF). Os participantes formados poderão atuar na movimentação segura de produtos radioativos dos Terminais de Carga (TECA) da Rede e operar scanners de inspeção de bagagens.

O curso é destinado a funcionários dos Terminais de Carga, de Passageiros, engenheiros e médicos, além dos profissionais que colaboram nos aeroportos, bem como funcionários da Anvisa, Anac, Vigiagro, Polícia Federal, Receita Federal e companhias aéreas. A capacitação do Aeroporto de Brasília, com duração de 38h/a, foi realizada também com a participação de bombeiros dos Seção Contra Incêndio (SCI) e funcionários terceirizados do posto médico e do setor de Raio-X.

Para o gestor do curso - coordenador de Segurança e Saúde no Trabalho, Luiz Fernando de Oliveira, capacitar profissionais em radioproteção adequa a Infraero às normas da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEM). “É uma das importantes etapas que integram um conjunto de medidas de segurança da CNEM a fim de priorizar a segurança dos aeroportos”, concluiu.

Confira esta matéria no site Clicando aqui.

18 de maio de 2011

CIA Teatral Icambalacho estreia em Brasília

Por Leandro Lisbôa

Em entrevista ao Panorama DF, o grupo dirigido por Ronaldo Camelo, fala a respeito da formação, das dificuldades, dos patrocínios e da estreia da peça Caras do Brasil

Composta por 12 integrantes a Cia Teatral Icambalacho é um grupo jovem, criado em agosto de 2010 por alunos da Faculdade Dulcina de Moraes, com o projeto de aprimorar os conhecimentos adquiridos no curso de artes cênicas e expandir as habilidades. A ideia prosperou e em menos de seis meses de formação o grupo conseguiu espaço para os ensaios, apoio de um instituto de cultura, além de lançar um espetáculo.

A Cia Teatral idealizada por Ronaldo Camelo, Lúh Rodrigues e Elmo Ferrér teve início a partir dos sonhos destes três jovens, que, desejavam ver seus trabalhos e produções em execução fora do âmbito da faculdade.

Depois de alguns encontros e do grupo formado Rodrigo Mariani, Ronaldo Camelo, Bárbara Leandro, Gustavo Jorge, Camila Ellen, Letícia Lins, Elmo Ferrér, Eldo Raposo, Lúh Rodrigues, Arthur Matos, Ingrid Lopes e Karine Junqueira, ainda sem nome, resolveu escolher um emergencial para participar dos editais, festivais e apresentações públicas.

O nome emergencial era “Icamelo”, e fazia menção ao instituto parceiro do grupo, ICAM (Instituto de Cultura Arte e Música de Brasília), e de um dos idealizadores, Ronaldo Camelo. Contudo, a Cia decidiu mudar o nome, pois, achava que o escolhido não era legal para o propósito inicial e ainda designava uma pessoa como dona do grupo e não era esta a intenção.

Depois de diversas sugestões foi decidido o nome “Icambalacho”, mais uma vez citando o instituto parceiro, só que desta vez com a palavra “cambalacho”, que em muitos locais tem significado negativo, o grupo adotou como caricatura, uma brincadeira, um jogo divertido.

Perguntados sobre as atividades desempenhadas por cada um, os integrantes responderam que todos são multitarefa e que na verdade, este é o foco de uma Cia teatral, não só esta como em muitas outras, que, por não possuir capital necessário para contratar um produtor, figurinista, cenógrafo, acabam se dividindo nas funções dentro da companhia.

“Todo mundo aqui tem autonomia para trabalhar em outros setores da Cia., isto ajuda na união, além disso, estamos falando da realidade teatral de Brasília. Muitos grupos surgem e não têm como pensar em pagar profissionais para nos ajudar com este tipo de coisa, então nos dividimos nas outras funções, produzimos nossos cenários e figurinos. Ninguém tem apenas uma função, até nosso roteirista nos ajuda em outras coisas.” Afirmou Ronaldo Camelo, diretor da equipe.

Projetos 
A Cia esta engajada no projeto âncora, que tem o nome de “Caras do Brasil”, peça que falará do Brasil de forma cômica. “O projeto consiste em uma peça teatral que vai retratar exatamente as identidades brasileiras. Todas as identidades do país serão tratadas de forma cômica, traremos a crítica social em forma de comédia.” Pontuou Rodrigo Mariani, ator da Cia.

A Cia não adotou um gênero específico e diz que aceita todo e qualquer tipo de desafio em cena, seja ele stand-up, comédia, drama, musical ou improviso. Mas o diretor do grupo, Ronaldo Camelo, todos os integrantes tem faro mais aguçado quando assunto é comédia, tanto para escrever como para atuar. Tanto é, que a agenda da equipe para os próximos meses está lotada e envolve a reestréia da peça “Caras do Brasil”, apresentação de um espetáculo em homenagem ao dia do autista e em breve a estreia do primeiro musical.

Dificuldades 
No momento, o único patrocínio que o grupo tem é a parceria com o ICAM. Eles apresentam nas audições do instituto, onde após cada apresentação dos alunos, a Cia entra com uma cena. Também fazem apresentações nas instituições parceiras do instituto e em troca recebem o local para ensaiar e o apoio nome da empresa para participar de projetos e trabalhos.

A escassez de patrocínio o que acaba dificultando os projetos e trabalho do grupo, como afirma, Rodrigo Mariani. “Dependemos de patrocínio para continuar, pois alguns integrantes não trabalham e muitas vezes não tem nem como vir aos ensaios. Além disto, temos dificuldade para montar o figurino, comprar material, alimento e por aí vai. A ausência do patrocínio atrapalha os nossos projetos”, afirmou.

O grupo também diz que a ausência do patrocínio dá incerteza nas apresentações, pois muitas vezes eles passam meses ensaiando e no fim das contas acabam por não ter onde apresentar.

“O único local onde temos acesso facilitado é na faculdade mesmo, no Dulcina de Moraes, pois, eles abrem o espaço para as apresentações dos alunos, mas em outros locais o acesso é bem difícil”, disse Letícia Lins, atriz.

Perguntados sobre a centralização das casas culturais no Distrito Federal, o grupo respondeu que acha um absurdo e muito triste que tudo seja direcionado para Brasília e que as cidades satélites fiquem de fora das manifestações culturais. E cobram ação das autoridades competentes, para levar os centros de cultura para as Regiões Administrativas.

“É um erro absurdo centralizar tudo isto aqui, pois, muitas vezes, a menina da região administrativa não tem condições de vir assistir um grupo, ou por conta da entrada cara, as vezes a pessoa não tem o dinheiro de passagem e nem o da entrada.

Seria bom se os responsáveis pela cultura no Distrito Federal incentivassem a apresentação nas RA’s, criando centros de cultura, e casas de apresentação e acabar com o mito de que só tem coisa boa em Brasília. Grande parte das pessoas que vão ao teatro faz parte da elite de Brasília, acredito que se o governo agir dá para melhorar e fazer com que a cultura chegue a todos e em todas as classes.” Reforçou, Ronaldo Camelo.

O grupo tem a intenção de descentralizar o teatro, no esforço de levar as apresentações teatrais para as Regiões Administrativas. “Temos o interesse de levar nossas peças para estes locais que não possuem tanta oferta teatral e incentivar o público a ir ao teatro.” Afirmou Rodrigo Mariani.

Acesso central no saguão de embarque do Aeroporto de Brasília é interditado para reformas

      A Infraero vai construir uma rampa central de acesso às salas de embarque do Aeroporto Internacional de Brasília/Juscelino Kubitschek (DF) e isolar as laterais hoje existentes. A melhoria facilitará a circulação de passageiros e usuários, inclusive para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Para isso, interditou o acesso central no saguão de embarque, logo atrás do Balcão de Informações. Após as obras haverá um único acesso – central – aos portões de embarque.Neste momento, o embarque está sendo feito apenas pelas entradas laterais do saguão.
          A construção da rampa faz parte do primeiro lote das obras de reforma e ampliação do aeroporto. Essas melhorias, que receberão R$ 4,9 milhões em investimentos, incluem ainda a construção de novos sanitários nos saguões de embarque e desembarque; nova sala de inspeção na área de desembarque e a ampliação da sala de embarque remoto no satélite norte do Terminal de Passageiros. A previsão é de que os serviços sejam concluídos em seis meses.
      O superintendente do aeroporto, Antonio Sales, afirmou que os passageiros já recebem todas as orientações para garantir o conforto e a segurança durante as obras. “O aeroporto recebeu uma sinalização que orienta os passageiros sobre as mudanças na circulação. Além disso, eles podem pedir auxílio aos empregados da Infraero com o colete amarelo ‘Posso ajudar?’”, explicou.
 
Fonte: Assessoria de Imprensa – Infraero

Infraero apresenta obras para Manaus em audiência pública

Por Leandro Lisbôa

A Infraero apresentou os trabalhos de melhorias para o Aeroporto Internacional de Manaus/Eduardo Gomes (AM) em audiência pública realizada nesta quinta-feira (12/5). As obras, que envolvem a reforma e ampliação do Terminal de Passageiros do aeroporto, estão orçadas em R$ 415 milhões e ampliarão o espaço disponível de 39,4 mil m² para 97,2 mil m². 

Durante a audiência, o superintendente do Aeroporto de Manaus, Aldecir de Oliveira Lima, também descreveu detalhes da obra. Entre eles, estão a implantação de áreas de embarque e desembarque em níveis operacionais diferentes e a expansão do estacionamento. “A arquitetura de nosso terminal foi muito bem planejada e até hoje atende a demanda operacional. As obras deverão capacitar o aeroporto ainda mais para atender as necessidades dos passageiros”, afirmou o superintendente. 

A audiência fez parte do evento “Confea/Crea em Campo”, promovido pelo Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea) em parceria com os Conselhos Regionais de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea) nas cidades-sede da Copa do Mundo para avaliar o andamento dos preparativos de infraestrutura para a competição.

Confira esta matéria no site Clicando aqui.

Judoca brasileiro conquista bronze no Grand Prix no Azerbaijão

Por Leandro Lisbôa

O judoca Leandro Guilheiro conquistou pela Seleção Brasileira de Judô, patrocinada pela Infraero, a medalha de bronze no Grand Prix de Baku, realizado nos dias 7 e 8/5, no Azerbaijão. O torneio é uma etapa do Circuito Mundial da Federação Internacional de Judô e soma pontos para o ranking mundial da modalidade. 

Nas quatro primeiras lutas, Guilheiro derrotou por ippon os adversários Aleksandr Marmeljuk, da Estônia; Antoine Valois-Fortier, do Canadá; e Sergiu Toma, da Moldávia. Na semifinal, o brasileiro foi derrotado por Elkhan Rajabli, do Azerbaijão, por wazari, e ficou com a medalha de bronze. 

Com o resultado, Guilheiro somou mais 80 pontos no ranking, chegando à segunda colocação; além de se firmar entre os judocas que irão às Olimpíadas de Londres, em 2012, já que os 22 primeiros colocados da lista têm vaga garantida nos Jogos Olímpicos. 

Outro destaque na competição foi o judoca Moacir Mendes Júnior, que ficou na quinta colocação da categoria até 73 kg.

A Infraero e o Judô
A Infraero é a patrocinadora oficial da Confederação Brasileira de Judô desde 2005, e apoia também a Seleção Paraolímpica Brasileira de Judô através do Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB). A empresa desenvolve também o Avança Judô, um projeto social que oferece oportunidades para que crianças e adolescentes do entorno de aeroportos possam desenvolver através do esporte o seu potencial como pessoas e cidadãos. Entre 2005 e 2010, a Infraero já investiu R$ 7,15 milhões no judô, sendo R$ 1,75 milhão somente no ano passado. Em 2011, foi feito novo investimento de R$ 1,75 milhão para o esporte.

Confira esta matéria no site Clicando aqui.